Haicais


Fogo


Cai, cai balão
Licença pra cair
Só na canção


Animais em fuga
É a queimada!
Floresta acusa.

 


Terra


Diz o ditado:
Não adianta chorar
pelo azul derramado.


Quem é o morador?
Um ex-rio que mora
na piscina de favor.


Água


Nas marés
com meias de renda
a espuma calça meus pés.


Cheia no rio
Casa aguada.
Lar vazio.

 


Ar


Moinho de vento
mói a palavra
meu alimento.

Vento parado
Barco à vela
chateado.


In Poesia é Fogo, é Terra, é Água, é Ar!

O Grilo

Grilo cri cri!
pula pula pela grama.
Pula e canta,
canta e pula
cri cri!

O grilo cantor
De flor em flor
vai pulando...
As flores falam:
seu mal educado!
seu folgado!
O grilo responde:
Sou sim mal cri cri ado!
Cri cri!

A Árvore


Nos seus galhos o menino vem brincar.
Sua molecagem pendurar.
Pega fruta daqui, dali.
Cospe caroço dali.
De mordida em mordida vai subindo...
Num instante é gigante,
o céu alcança.
De repente dá um grito de Tarzan,
no cipó balança.
Logo, logo vira macaco,
pula de galho em galho.
Igual passarinho, faz ninho.


Até quando menino?
Até quando crescer
e da árvore se esquecer.


In Azul por Natureza. Editora Nova Fronteira,2011